Glúten, afinal quem é ele?

Em quase todos os paises, esta palavra “glúten” está presente nos rótulos dos alimentos, muitos sequer notam, mas porque será?

Primeiramente, o glúten é a proteína do trigo, mas também presente no centeio, cevada e aveia.

O glúten não é encontrado na natureza desta forma, ele se forma a partir de gliadina ( 50% ) mais glutenina ( 50 % ) em contato com água mediante agitação ( ex: mistura da farinha de trigo com água e “sovando “ a massa) .

Quando ingerimos um pãozinho por exemplo, o glúten nele contido ao chegar no estômago  se “ divide “ em glutenina e gliadina, mas infelizmente não é digerido , e quando chega ao jejuno ( intestino delgado ), ele ativa uma enzima chamada ZUNELINA, que inativa duas outras enzimas: OCLUDINA e CLAUDINA . O papel destas 2 enzimas, é manter as células do intestino ( enterócitos ) bem fechadas.  Com a presença da gliadina, a mais complicada para o nosso organismo, é como se em uma parede  abrissem fendas, e a mesma entra para dentro do organismo , ativando o sistema  antigeno /anticorpo,  levando à formação de anticorpos (ANTIGLIADINA) .

Pensando que todas as vezes que ingerimos glúten, isto acontece quando comemos pão, pizza, biscoito, bolo, macarrão, cerveja, e  que durante uma vida ingerimos cerca de 7 toneladas de alimento, vai  havendo uma fadiga crônica do sistema imune, e uma “confusão” do sistema imunológico, onde chamamos de MIMETISMO, e ele “pensa” que um “pedacinho” da tireóide por exemplo é um glúten, e a ataca  achando que é um inimigo.

Existem cerca de 10.000 trabalhos publicados, relacionando glúten não só com a doença Celíaca ( alteração genética que leva a alterações autoimunes em diversas áreas : déficite de nutrição, anemia,  tireoidite, e  diarréias intestinais onde é  mais conhecida ), mas com todas as doenças  .    

É importante ressaltar que a “saúde” do intestino , (nosso 2º cérebro e também produtor de cerca de 80% da nossa serotonina), é tanto melhor quando nossa  microbiota  intestinal  está equilibrada (bichinhos do bem e do mal), com a “parede” intestinal  bem “fechadinha” para que entrem somente os  micronutrientes e não toxinas, nem “proteínas”  não digeridas, como as já citadas gliadinas.

Alterando esta permeabilidade da parede intestinal, onde chamamos de HIPERPERMEABILIDADE INTESTINAL, temos uma alteração  também na “barreira hemato-encefálica”, onde estas toxinas e efeitos das alterações  antigeno/ anticorpo podem alterar inclusive glândulas, e mediadores cerebrais.

Basta dizer que ,estudos mais atuais ligados ao AUTISMO,  HIPERATIVIDADE, DEFICIT DE ATENÇÃO, ALTERAÇÕES NA CONCENTRAÇÃO, mostram  que pacientes que removem o glúten , o leite e derivados (também tem a caseína que não é digerida) e o açúcar (aumenta os  fungos intestinais), tem grande melhora.

Dicas para uma melhor saúde:

  • Exclua por 4 semanas o glúten (pães, biscoitos, macarrão, bolos, torradas), leite e derivados
  • Inclua muitas frutas, verduras frescas na sua dieta
  • Rotacione  os alimentos. ( mesmo as frutas )
  • Prefira alimentos da época
  • Coma a cada 3 horas (fazendo lanchinhos saudáveis )     
  • Beba bastante água nos intervalos das refeições
  • Exclua refrigerantes e sucos de caixinha
  • Diminua o milho e a soja (leite)
  • Pode manter tofú, missô, shoyo ( sem glutamato )
  • Excluir adoçantes (ciclamato, aspartame, sucralose )
  • Preferir:  estévia , melão chinês
  • Excluir conservantes, corantes.
  • Faça exercícios regularmente

E então observe: seu intestino, dores em geral, enxaqueca, mau humor, qualidade de sono, flatulência intestinal, retenção de água, posso quase apostar que pelo menos muitos destes sintomas diminuirão ou quase desaparecerão, que tal se dar de presente esta tentativa?

 

   Ter saúde dá um pouco de trabalho, mas vale a pena.

Deixe um comentário